Eu Nunca Quis Ser Médica

Pois é. Surpreendente, não?! Não.

Eu não sei exatamente onde foi que começou essa história, mas de vez em quando ouço algum cretino desavisado associar o fato de alguém ser dentista a não ter passado no vestibular de Medicina. A ocasião mais recente em que vi alguém emitir uma opinião nesse sentido foi num comentário bastante agressivo que uma suposta médica deixou no Netdentista.com. Sendo médica ou não, a opinião dessa pessoa não tem relevância alguma… quem agride perde a razão.

Diga "33"

Se não puder falar pelos outros, deixe-me dar um testemunho pessoal: eu nunca quis ser médica. Nunca mesmo. Tenho a maior admiração pelos profissionais de Medicina, mas não acho que essa seja a minha vocação. Então me inscrevi para o curso de Odontologia. No ano em que prestei vestibular, a concorrência para Odonto devia ser menos da metade se comparada à relação candidato-vaga de Medicina. Bom pra mim que não queria ser médica, né?! Entrei. 🙂

Mas dentistas, ainda que não sejam médicos, precisam saber o mesmo que um médico generalista sabe. As matérias básicas dos dois cursos são muito parecidas: bioquímica, anatomia, fisiologia, farmacologia. Tudo isso porque a boca não chega sozinha nos nossos consultórios, ela vem com um corpo acoplado :). Mesmo que a atuação do dentista se restrinja à cabeça e ao pescoço, tratamos pessoas inteiras! Prescrevemos medicamentos de ação sistêmica, precisamos saber como nos comportar diante de diabetes, hipertensão arterial e outras doenças. Não as tratamos de forma direta, mas é essencial conhecer que efeitos elas produzem no organismo. Sem o devido controle dessas condições, o paciente corre riscos durante um procedimento odontológico. Se não é da nossa alçada tratarmos essas enfermidades, é essencial que saibamos identificá-las para encaminhar o paciente ao profissional competente: o médico.

Da mesma forma, médico não sabe tratar dor de dente. E não tem obrigação nenhuma de saber. Ele pode prescrever análgésicos e antibióticos, claro, mas fazer uma restauração, realizar a abertura de um dente, determinar uma medicação intracanal… não. Aí é ele que encaminha o paciente para o profissional competente: o cirurgião-dentista.

E o termo “doutor”, então… como tem gente que bate no peito porque tem um DR no nome! E não me venham com aquela história de que “só pode ser chamado de doutor quem tem doutorado”. Bobagem. Só pode ser chamada de mãe aquela que deu à luz? Acho que quando um paciente se refere a nós nesses termos, dentistas ou médicos, é além de um hábito uma questão de respeito. Não faço questão de ser chamada dessa forma, mas os pacientes costumam se referir a mim como doutora. Não vejo mal e nem necessidade de corrigir ninguém. Meu médico, o Dr. Rogério, sempre me chama de doutora quando vou ao consultório dele, e eu nunca sugeri que ele fizesse isso. Vejo isso como uma reverência, sinal de respeito a mim como profissional. Mas o fato é: isso não me faz ser mais importante, inteligente ou feliz que ninguém. É só uma forma de tratamento. Simples assim.

Existem SIM dentistas frustrados porque queriam ser médicos e não passaram no vestibular. Mas não é a regra. E existem SIM, o que eu acho muito pior, pessoas que nunca tiveram vocação pra Medicina e que se matam de estudar para entrar num curso concorridíssimo simplesmente porque dá status, ganha-se dinheiro e o direito de virar “doutor”. Ou o mais triste: porque o pai e a mãe obrigaram.

Tem uma música chamada Xote Universitário que é bastante conhecida na interpretação do Falamansa. Acho que ela ilustra bem o que eu estou dizendo. Clique no player abaixo para ouvir (veja a letra aqui):

Aos colegas dentistas que gostariam de ser médicos, o recado é: ainda dá tempo, mas tem que ralar! Vão ser felizes! A pior coisa do mundo é se ver preso a uma rotina que não dá prazer, que escraviza, que poda a criatividade e o entusiasmo.

Aos críticos que acham que todo dentista queria ser médico e não conseguiu: procurem algo pra fazer. Vão capinar um lote, lavar um tanque de roupa, ler pra velhinhos em algum asilo… essas são coisas úteis e que preenchem o tempo e a mente. Porque em mente vazia sobra bastante espaço pra ideias como essa.

Aos médicos e dentistas realizados profissionalmente e com real vocação para as profissões que escolheram: o meu desejo de muito sucesso. Que as parcerias que firmamos nas equipes multidisciplinares, junto aos demais profissionais da área médica, continuem promovendo saúde e melhorando a qualidade de vida dos nossos pacientes.

Compartilhe:

Comentários via Facebook


Categoria: Profissão: Cirurgião-Dentista

Marcadores:

95 comentários

  1. Sabe qual é o real problema? Muitas pessoas dos cursos da área da saúde ficam comparando seus ganhos com a medicina… muita gente faz medicina por status e por dinheiro! Quase ninguém hoje faz nada sem pensar primeiro em dinheiro! Por isso tantos profissionais ruíns! Frustrados! Mesmo ganhando bem, mais ainda sim Frustrados! E oferecendo serviço de péssima qualidade! Falo por experiência própria! Levei minha filha numa pediatria de emergência, lá me deparei com uma médica, por volta dos seus 38 40 anos… tão gorda que quase não passava na porta, grossa! Mal educada! Que nem olhou na minha cara! Ou direito pra minha filha… ficou mandando a estudante residente ficar fazendo as coisas … e a jamanta da médica sentada olhando o instagram … completa falta de profissionalismo! !!! Horrível ! Ou seja! Ponham na balança o que vai ser bom pra vida e não somente dinheiro.

  2. Ana,

    O respeito que as pessoas tem umas pelas outras não está em pronomes de tratamento ou títulos acadêmicos.

    Eu sou formado em Técnico Mecatrônico, sou Engenheiro e pós graduado e prefiro ser chamado pelo nome somente, pois acho convenções desnecessárias.

    A minha esposa é médica veterinária, tem mestrado e doutorado e ela nunca utilizou o Dra e nunca irá utilizar, porque ela não gosta e não se acha doutora. Ela gosta de ser chamada pelo nome mesmo. Isto facilita a comunicação com as pessoas.

    Você diz que não se importa em não ser chamada de doutora, porém usa um Dra em frente ao seu nome e isto me parece contraditório.

    Ao meu ver só pode usar Dr em frente ao nome quem concluiu doutorado.

    O que acho engraçado nesta história toda de respeito e bla bla, é que na área de exatas conheço engenheiros que tem mestrado, doutorado e falam seis idiomas e não se importam em não ser chamados de doutor, ou de engenheiro ou de senhor. Acho que este negócio de doutor é recalque do pessoal da área da saúde.

    1. Ana,

      Sei que o tema principal do seu texto não é a palavrinha doutor… risos Mas como sei de n histórias em que bacharéis em medicina ou em direito exigiram assim ser tratados por seus funcionários, passei a me opor a esta palavrinha que no Brasil tem tudo a ver com status e prezo por uma sociedade igualitária, pois somos todos iguais.

      Não sejam como os médicos que fazem questão em ser chamados de doutor e vomitam o Dr nos carimbos, jalecos, etc… Sejam vocês mesmos! Admiro os dentistas, pois no geral sempre fui bem atendido por estes e já de médicos não posso dizer a mesma coisa.

      Alias, admiro os dentistas assim como admiro os engenheiros, os físicos, os matemáticos, os farmacêuticos, os enfermeiros, o padeiro, o pedreiro, a faxineira, etc.

      Mas repense esta questão de utilizar o Dra em frente ao nome.

      Tenho dois amigos dentistas e ambos não utilizam Dr em frente ao nome (nem no jaleco, nem no carimbo, ou seja, em lugar nenhum) e quando são chamados de doutor, dizem de forma simpática ao paciente, para que lhes chamem pelo nome mesmo. Acho isto muito bonito! Pois reconhecem que doutor é título acadêmico!

        1. Doutor é título acadêmico e não uma forma de ser tratado com respeito. É doutor no Brasil quem possui doutorado, é bom evitar essa confusão. Concordo com o Eduardo. Sou mestre, ainda não sou doutora, e nem por isso me chamam pelo meu título, nem faço questão. Afinal, minha profissão é professora, assim como a sua é cirurgiã-dentista e a do médico é MÉDICO. Diferentemente dos US onde ser doctor é profissão e o doutorado como título acadêmico é PhD.

          Sim, você escreveu no seu texto que é um pronome de tratamento. Leia de novo o que você mesma escreveu. E, pelo amor, parem de querer ser doutores sem ter doutorado e o título, assim como você alega só poder ser usado no meio acadêmico, o mesmo serviria pra você que diz que seu médico te chama de “doutora”…isso não seria fora do ambiente de trabalho? Rs NÃO É UMA QUESTÃO DE COSTUME É QUESTÃO DE STATUS, PARE DE JUSTIFICAR O USO INDEVIDO DO TÍTULO PELOS BRASILEIROS.

          1. Não, não escrevi. Leia de novo você, eu sei o que eu escrevi, você é que parece não ter entendido o que leu. Todo mundo já entendeu que doutor é quem tem doutorado, e que nem eu, nem você, nem um monte de gente faz questão de ser chamado por qualquer título acadêmico que possua. Eu realmente não entendo a insistência nesse tema se “ninguém faz questão”, não é mesmo? O que eu disse no texto é: se meu paciente me chama assim, eu não vou ficar “corrigindo”… até porque eu teria que fazer isso em 90% dos casos.

            Eu não quero ser doutora… o doutorado é para aqueles que pretendem seguir pela linha da pesquisa, o que, por enquanto, não tenho a menor intenção. Eu não sei no futuro… pode ser. Ou não.

    2. Eduardo, é claro que o respeito que as pessoas têm umas pelas outras não está em pronomes de tratamento e em títulos acadêmicos. Mas é fato que as pessoas, quando colocam o DR. na frente do nome do médico / dentista / seja lá quem for, têm essa intenção: ser respeitoso. É desnecessário? É. Eu também não faço questão, mas isso não impede que 90% das pessoas que se dirigem a mim dentro do consultório me chamem de doutora. Pra mim tanto faz… se você não quer / não acha “certo”, não chame. Sabe por quê a gente acaba incorporando o DR.? Porque se a gente não coloca no cartão ou na placa, muita gente não acredita que a gente é dentista. Sério mesmo, já aconteceu de uma pessoa questionar uma colega minha sobre a formação dela pela falta do DRA. no cartão dela: “Nooossa, achei que você ainda não era formada!”. Quanto ao “recalque”, não entendo dessa forma, pelo contrário: me parece que quem não é da área da saúde é que tem “recalque” com as pessoas chamando médicos e dentistas de doutor, “exigindo” um doutorado pra isso. Quanto a mim, não tenho qualquer intenção de fazer doutorado por enquanto (porque não tenho interesse imediato de trabalhar na área de pesquisa) e também não vou ficar “corrigindo” quem me chama de doutora. Nem quem não me chama. Estando dentro dos limites da boa educação e do respeito, me chamem como quiserem.

  3. Ana, eu nao fugi ao tema, pelo contrário, estou lhe dando a minha opinião sobre seu questionamento de querer saber o por que das pessoas no geral pelas ruas possuírem essa visão formada dessa comparação entre medico e dentista, e, na minha opinião é por esses fatores que isso ocorre, inclusive acho bobagem e ignorancia dizerem q medico estudou mais, no entanto pra entrar na faculdade eles de fato estudaram, mas nao necessariamente no curso em si. Outra coisa q é um fato, é que eles se valorizam mais, ao contrario do dentista q trabalha por qualquer merreca, e com isso eles valorizam a classe deles e nós não. Acho hipocrisia nao citarmos salario, e as realidades sao bem diferentes. Medico recem formado pode trabalhar em postinho de interior pra ganhar 20 mil sem fazer concurso, só por contrato, e nem a metade desse salario existe pra dentista especializado e concursado. Outra desvalorizacao da nossa classe é clinico geral ter q exercer varias especialidades mesmo que nao propriamente capacitado e agil para executa-las como seria se fosse um especialista, e medico, isso existe? Nao! Sem falar q dentista pratico fazendo cagada nem processo direito leva e a populacao humilde ainda respeita e considera esses “senhores”, agora deixa pegar um falso medico pra ver a cadeia… Por essas e outras razoes o povão enxerga assim nossa classe, enquanto nao acabarem com a prostituicao de dentistas em clinicas populares, a concorrencia desleal por precos, e a falta de etica q o dentista em geral tem de meter o pau no trabalho do outro dentista. Alem de ser um trabalho informal pra mais de 90% de dentistas, ou por acaso vc conhece mais q 1 ou outro dentista de carteira assinada? Com salario fixo digno? Pois e.

    1. Olá amigo. Seus comentários são meios sem base. Para começar um médico não sai ganhando 20 mil em postinho. Ele precisa trabalhar muito e ter especialidade para ganhar 18 mil em hospitais. E outra coisa, o piso salarial do Dentista para 8 horas diarias, é 11.200. Tem muito médico ganhando apenas 10 mil. E outra coisa, conheço muitos e muitos dentistas que possuem consultório proprio e faturam acima de 20 mil reais, sem trabalhar 8 horas por dia. Um bom dentista ganha mais de 1000 reais por dia. Um médico dificilmente ganha isto todos os dias. Geralmente eles ganham em determinadas agendas, ou dias eletivos. A realidade é que o governo paga mais para médicos. Porém um dentista buco-maxilo-facial ganha a mesma coisa que um médico generalista. E dependendo do hospital ele pode ganhar até a mesma coisa que um médico especialista. Você está se embasando no que o governo paga, mas esqueceu do consultório próprio do dentista, e dos hospitais privados.

  4. É… o fato é que ninguem nunca vai dizer que é médico e que sempre quis ser dentista, mas por falta de capacidade preferiu se tornar médico. Realmente os valores agregados (financeiro, moral, social, marketing etc) são bem diferentes que cada profissão carrega. E não adianta virem com aquele velho argumento de pegar um dentista super foda que ganha muito dinheiro e comparar dizendo que ele ganha mais dinheiro do que um médico meia boca que você conhece, ai é facil… mas na real mesmo? até o medico mais lixo de todos ganha mais que a maioria de dentistas regulares ou bons. Falo isso por experiencia propria, na minha familia tem muitos medicos e dentistas, e é sempre assim. Por exemplo, o dentista ganha menos e vai lá e compra um iphone 6 parcelado em 10x e quer sair pros bares e baladas e tirar selfie pro face ostentando e querendo gozar do prestigio financeiro que ele nao tem, mesmo parcelando tudo e vivendo endividado, porém, ostentando. Já o medico clinico geral meia boca compra o iphone 6 a vista, gastando 1/5 do salário mensal, viaja pro exterior com o dolar beirando os 4 reais e nao precisa ficar ostentando coisas como essa, que para ele são consideradas simples e corriqueiras e até vergonhosas no quesito ostentação comparado aos outros coleguinhas médicos q de fato são ostentadores.

    1. Marcelo, tô aqui tentando entender por que você veio falar em dinheiro / status num texto sobre vocação. Se tem médicos que gostariam de ser dentistas? Sim, me lembro de uns 2 colegas, aqui. Aí eles fizeram faculdade de Odontologia e pronto, assim como o dentista (ou ex-aluno de Odontologia) pode cursar Medicina. Sei lá, não boa, não entendi bem seu objetivo… dentistas ganham pouco e compram coisas caras em prestação pra ostentar enquanto médicos (até os mais ~pobrinhos~) ganham muito e não gostam de mostrar porque há outros médicos que ganham melhor? Ok, é sua opinião. Mas eu conheço dentistas que ganham muito bem e médicos que ganham muito bem… parte deles gosta de deixar claro que tem dinheiro outra parte – a maior e melhor parte – realmente não se importa com isso. Não conheço nenhum médico ou dentista pobre, e meu iPhone eu paguei à vista. Mas sinceramente… quem se importa?

  5. E quando alguém quer cuidar de gente, poder aliviar dor e trazer bem estar?
    Presto vestibular para medicina há 2 anos, um pouco pressionada. Mas tenho interesse por odonto. Afinal, não cuida de gente também? Aí vão vir e me dizer: ah, só da boca e dos dentes ?
    Conheço dentistas frustrados/mal sucedidos e dentistas realizados/bem sucedidos. Médicos idem, e começo a me perguntar por que não dar uma chance a odontologia, uma profissão tão linda! Ortodontista, endodontista, odontopediatra, buco maxilo facial. O que acontece é que muitas vezes as pessoas ficam bitoladas com a medicina e não abrem seus horizontes pra algo que pode se tornar uma paixão. Não é questão de ser mais fácil, é questão de tentar e arriscar. Por que não? 🙂

    1. Sim Bianca, tudo isso é “cuidar de gente”! Por que não? Não conta pra ninguém, mas Odontologia É Medicina… não vejo diferença. 😉 <3

  6. Doutor é título acadêmico, não pronome de tratamento.
    E respeito se obtêm com atitudes, não às custas da ignorância alheia, dos que não sabem de tal diferença.
    Parece que certos profissionais têm vergonha de suas graduações. Como se fosse menos honroso ser tratado por ‘Dentista José’; ‘Advogado João’; ‘Médico Joaquim’; …
    Querem mais títulos? é muito simples: ultrapassem os obstáculos da discência e os conquistem com estudo, não com estorinhas absurdas.

    1. Confesso que eu não entendo essa fixação que algumas pessoas têm por títulos. Dia desses apareceu um cidadão em outro post “mandando” que os outros leitores “parassem de chamar a dentista de doutora”, afinal de contas ele tinha “certeza” (!) que eu era no máximo “apenas” especialista em alguma coisa. Aqui no blog e no meu consultório as pessoas me chamam como quiserem (desde que dentro das regras da boa educação, claro): Sra. Ana, Dentista Ana, Dra. Ana, Ana “só”. Eu nunca sugeri que elas me chamassem de “doutora” mas, mesmo assim, 90% das pessoas usam essa FORMA de tratamento (não, “doutor” não é pronome de tratamento e eu nunca disse que era… preste atenção no texto). O que você sugere, que eu interpele 90% das pessoas do meu convívio e as “corrija”? Pra mim é apenas um hábito. Se é um hábito com o qual você não concorda, ok… me chamar ou não de “doutora” não vai mudar em nada a minha vida e muito menos a forma com que eu vou me relacionar com os meus pacientes. Não há absolutamente nenhum problema em ser chamada de “Dentista Ana”, por exemplo, eu até achei que isso tinha ficado bem claro no texto (pelo jeito não ficou). Ainda: títulos acadêmicos são para serem usados em ambiente acadêmico… então, se o doutor tiver doutorado mesmo, ainda assim não há razão pra chamá-lo dessa forma no ambiente do consultório… só se a paciente quiser.

      Sobre títulos: Mestre = profissional que trilhou o caminho da docência. Doutor = profissional que trilhou o caminho da pesquisa. Só isso, são opções profissionais. Conheço mestres e doutores que nunca atenderam um paciente depois da faculdade. Isso não os desmerece em nada, mas certamente não os torna clínicos melhores.

      Uma colega certa vez me contou que uma paciente sua perguntou meio desconfiada: “Você é dentista mesmo, formada?”. Ela, claro, estranhou a pergunta… respondeu que obviamente sim, senão nem poderia estar atendendo (não legalmente). A paciente então esclareceu: “É que no seu cartão e na placa não tem o Dra. na frente do nome, então achei que você não tinha se formado ainda…”. Hábito, costume. Não é uma questão de título.

  7. Oi Ana…
    Adorei todas as palavrinhas que vc escreveu…
    Fico muito feliz em estar cursando odontologia e saber que em breve serei colega profissional de uma excelente pessoa como vc… Temos que honrar a nossa profissão, porque apesar de tudo adoro a area que escolhi e acho que devemos respeitar de forma igualitaria todos os profissionais da area de saúde… beijossss

    1. Obrigada, Fransuele! Que você seja muito feliz sendo dentista, e que as pessoas, em geral, se beneficiem da sua escolha. Senão não faz sentido, né?! 😉 Abração!

  8. Sempre quis Medicina. Odonto era a minha segunda opção. Não passei no que eu queria, mas me encantei pela Odontologia. A atuação é muito mais abrangente do que imaginei. Não nos reservamos à atuação oral: mas à atuação cabeça-pescoço! Muitas opções de especialização. Não sei se é realmente o que quero (ainda sou terceiro período), mas Medicina com toda a certeza não é mais.

    Enfim, Odontologia é um curso lindo e muito mais difícil do que pensei. rs

    1. Que bom que a Odontologia encantou você, Jônathas. Espero que, mesmo que ela não tenha sido um sonho, que se torne uma realidade feliz pra você. Abraço!

      (pode ser mais fácil de entrar, mas nem por isso é mais fácil de sair) 😀

  9. Aaadoreii! Eu nunca quis ser dentista, mas também nunca quis ser médica, quando eu era criança eu queria ser a Fátima Bernardes na verdade! kkkkkkkkkk mas enfim… as coisas mudaram na vida e acabei indo parar num curso de Odontologia meio que por acaso do destino, e sem dúvida foi o melhor acaso da vida!!! Realmente a Odontologia é fascinante apaixonante e tudo mais! Estou no ultimo periodo da faculdade e apaixonada pela profissão, como se esse sempre tivesse sido meu sonho sabe! rsrs
    E se engana de fato quem pensa que é um curso fácil! Muito pelo contrário, dependendo da faculdade que você fizer o curso é até mais difícil que medicina (digo isso porque meu irmão se formou em Medicina agora e ele disse que me acha, doida pois ele considera Odontologia bemmm mais puxado!)
    Apesar de ter me encontrado no curso ainda penso em juntar meu sonho de infância com a profissão de dentista, pois adoro fazer isso que a Dra. Ana faz, explicar sobre Odontologia para as pessoas… Adoro me comunicar, e também acho que é com informação que as pessoas perderão o medo de dentista, também quero me especializar em “odontofobia” rsrs! Beijos Dra. Ana e parabéns pelo blog!

    1. Obrigada, Tânia! Concordo com o seu irmão, você é uma doida… se fizesse Medicina, certamente ficaria rica. Já Odonto… 😀

      Eu sempre adorei escrever e, como você, adoro também explicar as coisas… sempre fui assim. Acho que isso partiu da necessidade de eu mesma entender como tudo funciona. E convenhamos… como as pessoas “falam difícil”, né?! Questões que são simples, na essência, acabam parecendo complicadíssimas dependendo de quem explica. Enfim, acho muito legal que você ponha em prática essa sua habilidade… quem sabe um novo blog de Odontologia surgindo? Se precisar de ajuda, conte comigo. Beijão! 🙂

  10. Parabéns Ana Tokus por abordar esse tema com tanta propriedade, vejo que esse assunto é abordado por muitos, principalmente médicos, de certa forma irresponsável, inapropriada e arrogante, todas as profissões tem seus saberes e práticas. Todos que cursaram um bom curso de Odontologia fariam medicina, salvo exceções.
    Vamos ao que me interessa, sou Cirurgião Dentista plantonista numa cidade do Rio de Janeiro trabalho em equipe (5 médicos, 2 dentistas, enf, assitente social, etc), não consigo entender porque o salário do Médico é maior, o secretário de saúde disse que o medico estuda mais, enfim, acho isso um absurdo. Depois de 15 anos de formado estou sentindo na pele essa retaliação, isso acontece também no PSF, onde o médico ganha quase o dobro dos demais, entre eles nós cirurgiões dentistas.
    Gostaria de levantar essa questão de relevância, tempo de estudo e remuneração. Quem vale mais, o Médico ? Onde estão nossos órgãos de classe? Quando prestei o vestibular valíamos o mesmo, por isso escolhi Odontologia, hoje minha opção seria Medicina, pois meu foco é o serviço público e nesse contexto valemos menos, podem acreditar, LAMENTAVELMENTE !

  11. Parabéns pelo seu texto. Eu tambem me formei em Odonto na Federal do Paraná em 1972, e queria fazer buco maxilo facial. Ouvi os mesmos comentarios de que Odontologia era segunda opção de Medicina. Fiz o que queria, com os melhores professores da epoca, Graziane, D’Otaviano, Dotto, em S. Paulo (Santa Casa), Campinas (Unicamp), Piracicaba (Unicamp), etc…. Criei o serviço de traumatologia buco maxilar da Santa Casa de minha cidade, hoje Hospital Regional. Participei de muitas pesquisas publicadas e me tornei membro do conselho medico hospitalar e chefe dos departamentos de otorrinolaringologia, oftalmologia e traumatologia buco maxilo facial. Para calar a boca de muitos, prestei vestibular de Medicina (Santa Casa, Marilia e Santos), passei em todos. Passei tambem em Direito FKB e Administração, e já era formado em Quimica. MAS QUIS CONTINUAR COMO DENTISTA, minha unica vontade. Recebi, com orgulho a comenda Dr. Alvaro Badra da Sociedade Brasileira de Cirurgia, alem da medalha da APCD. Sou feliz, com filhos dentista, engenheiro de computação, comercio exterior e genro medico, com o unico defeito de ser são paulino. Eu acho que quem não tem vontade nunca chegará a lugar algum…………. Parabéns, minha filha, você é uma das nossas.

  12. Ótimo artigo, muito bem redigido e argumentado.
    Só gostaria de ratificar que médico generalista é o termo usado para definir o profissional que é formado em medicina numa faculdade generalista de medicina (atualmente todas tem esse enfoque) e que para tal, ele deve ter cursado disciplinas exclusivas da medicina como cardiologia, ginecologia, obstetricia, pediatria, neurologia, endocrinologia, cirurgia, dermatologia, oftalmologia… etc. Alem de, é claro, passar pelas disciplinas básicas que compõem todos os cursos de nível superior da área de saúde como anatomia, citologia, microbiologia, fisiologia, bioquimica, biofisica e etc.
    Então, um dentista compartilha do medico, na sua formação, as disciplinas básicas da saúde. E dentro das disciplinas exclusivas da odontologia, recebe formação para os aspectos sistêmicos que tem interrelação com patologias bucais, de forma organica ou medicamentosa, mas não recebe formação para diagonosticar, tratar e conduzir pacientes portadores de, por exemplo, diabetes e hipertensão arterial sistemica, como recebem todos os medicos generalitas.
    O que quis dizer é que foi exagerado dizer que o dentista “sabe” mesmo que um medico generalista, mas entendi o contexto, o dentista vê o paciente como todo, não só como uma boca!

    1. Obrigada pela informações, Nairara! Realmente, dentistas não recebem formação para tratar e conduzir pacientes diabéticos ou hipertensos, mas pra diagnosticar, sim (pois a existência de certas condições sistêmicas são decisivas na condução de procedimentos odontológicos). Claro, mesmo diagnosticando (ou “desconfiando de” e encaminhando para exames complementares), não é nosso papel conduzir o caso, e sim encaminhá-lo para um médico. E sim, você entendeu exatamente o que eu quis dizer… muita gente ainda acha que dentista só enxerga boca, pior: dentes. E a gente estuda TANTA coisa além disso… abraço e obrigada novamente!

  13. Todo mundo aí já formado e eu aqui tendo que fazer uma das escolhas mais difíceis de minha existencia… escolher uma profissão =\ É a vida aos 16 anos já é complicada!

  14. Doutor é quem fez doutorado, sim.
    Esse papo de dizer que é só uma forma de tratamento não existe ( inclusive, se consultar um livro de língua portuguesa não existe nenhum pronome de tratamento ” doutor ” ).
    E outra coisa: com os absurdos que estamos vendo na medicina, é impossível chamar um bacharel em medicina de doutor.
    Até!

    1. Caro doutorando, eu não disse que “doutor” é um pronome de tratamento, eu disse que é uma forma de tratamento. Claro que não é oficial, mas num país de analfabetos como o nosso, chama-se de doutor qualquer um com um pouquinho mais de estudo (é aquela história: “Em terra de cego…”). Se é certo ou errado, bom ou ruim, não sei. O fato é: ser “doutor” (com ou sem aspas) não me fará mais feliz ou importante que ninguém. E doutores também erram, não estão acima do bem e do mal… médicos, dentistas, advogados, whatever. Mas o texto nem é sobre isso, o assunto acabou surgindo incidentalmente. Até!

  15. Em 1990, a relação candidato/vaga nos vestibulares para odontologia e medicina eram as mesmas… nas faculdades que prestei, chegavam a 40 por vaga! E não existia mais esse lance de se inscrever para medicina como primeira opção, e para odontologia como segunda opção… sim, esse lance existiu, anteriormente aos anos 90, e foi o que deu origem a essa “fama” da odontologia, de ser a segunda opção… pois muitos que queriam fazer medicina, se inscreviam para odonto na “segunda opção”, e acabavam fazendo, quando não conseguiam pontos suficientes para a vaga na medicina.
    Não foi o meu caso… eu gostava de cuidar de pessoas… e me inscrevi, separadamente, em quatro instituições diferentes, para odontologia, fisioterapia, fonoaudiologia e medicina. Passei em todas, escolhi a odontologia e jamais me arrependi. Como disse um colega nos comentários anteriores, é mesmo uma profissão apaixonante!

    1. Que interessante, Lidiane! Não conhecia essa história da “segunda opção”, mas isso explica muita coisa. Abraço e obrigada pelo comentário e pela visita! 🙂

  16. Pois nos anos de 1984, passei no vestibular na medicina de Marilia que era pela Vunesp, porque meu primo era louco pela profissão e eu entrei na dele pra gente montar república juntos. Acontece que prestei pra Odonto e era meu sonho, pois a Med pode te transformar num robo preenchedor de receitas, sem contudo ter acesso ao paciente como nós Cirurgiões Dentistas. Ele é Otorrino e eu Dentista.

  17. Bom, eu queria dizer que eu estou desistindo de medicina para fazer odontologia não porque é mais fácil passar em odonto (se fosse, seria mais fácil passar em farmácia, em fisioterapia, etc), mas porque decidi dar uma chance para algo que eu acho que tenho realmente aptidão, que é odontologia! Adoro o ambiente, os materiais usados, o contato com os pacientes. E incrivelmente sempre me dou súper bem com dentistas, tenho 2 tias e 3 primas que fazem odonto, sou cheia de amigas na área… Enfim, adorei seu post, Ana, muito motivador! Mostra como você é apaixonada pela sua profissão e me faz ter vontade de ser assim também, é inspirador! Se puder, mande-me algum e-mail falando onde você trabalha, como é seu dia a dia, como foram seus anos na faculdade, se você pegou bolsa, foi em congressos… Quero saber tudo para dar o meu melhor nessa profissão que eu tenho certeza que é especial!
    um beijo e obrigada

    1. Fernanda, muito bacana o seu testemunho. Quando a gente gosta de uma coisa, não tem jeito né?! Obrigada pelo pelo comentário e pela visita. Beijo! 🙂

  18. Olá Ana. Fiquei muito feliz com o seu post. Faço das suas palavras as minhas! Nunca quis ser médica! Admiro mas nunca tive vocação para isso. Minha mãe é dentista sempre amou a profissão (apesar de alguns obstáculos que existem já citados por nossos amigos nos posts anteriores), então desde pequena ia ao consultório com ela, adorava, botava luva e óculos e ficava brincando o dia inteiro. E se tem uma coisa que admiro é um belo sorriso… a pessoa pode estar com uma saúde de ferro mas se tiver com a boca feia… ninguém merece. Vou me formar agora… e estou na expectativa com o que esta por vir… mas estou confiante pois confio no meu trabalho, na minha competencia e acredito que quando a gente faz o que ama de verdade,isso não passa a ser obrigação e sim opção e as chances de se obter êxito e sucesso são muito maiores! Parabéns pelo blog… que muitas pessoas ainda possam ler e refletir sobre tudo isso que você falou… e que a nossa classe se una cada vez mais… para irmos pra frente e exaltarmos e valorizarmos essa profissão que é tão bonita e que traz sorrisos confiantes e qualidade de vida as pessoas.
    Beijoo!

  19. Sempre quis ser medica, então comecei um curso de tec. enfermagem aos 17 anos, quando comecei a estagiar vi que não basta querer… vida de médico não é só ganhar muito dinheiro, médico rala muito! Fora que em alguns hospitais a demanda é grande. Desisti totalmente da Medicina e estou muito feliz com o curso que vou começar de Odontologia!

  20. Bem, primeiramente gostei muito dos comentários. Fiz vestibular da UERJ fiz ENEM, em busca de uma vaga pra Medicina, que é meu sonho cursar, mas até agora não tive nenhum sucesso nessas provas, vi os valores de medicina nas particulares e estão muito caras, todas em torno dos R$ 3.200,00, mas sempre disse que Odontologia seria minha segunda opção, e alem do mais está mais barato vi uma de R$ 1.372,00, minha mãe disse para eu fazer odontologia e depois de formado, fazer a medicina, mas será que vou ser um dentista frustrado por não fazer medicina logo de primeira?

    1. Marcos, manda ver! O máximo que pode acontecer é você não se identificar com o curso. Aí é melhor parar mesmo e continuar atrás do seu sonho. Mas se você gostar, vai ver como a Odontologia pode ser fascinante! Boa sorte e obrigada pela visita! 🙂

      1. Mas Ana, tenho uma dúvida, na faculdade de Odontologia irei ter muito gasto com material? Se tiver diga mais ou menos quanto? E tem como se manter financeiramente logo depois que se forma?

        1. Odonto é a faculdade mais cara que existe, infelizmente. Você gastaria MUITO com material (em torno de uns R$ 40.000,00, por baixo). A boa noticia é que tudo que você compra será para uso no consultório depois, então é investimento. E também, dá pra comprar instrumental usado que sai muito mais em conta.

          Sim, dá pra se manter depois da formatura, não existe dentista desempregado… só se quiser. 🙂

  21. Gente acho isso um absurdo…sempre quis fazer odontologia……mas pensei que não aguentaria ver tanto sangue e lidar com cadáveres na facul.Então fui fazer Direito, pois era o sonho da minha mãe ter um filho advogado, e lá fui eu …..cursei direito por 2 anos e não aguentava mais ver os alunos de odonto ….entrando na clínica para atender os pacientes……nossssaaaa que inveja eu tinha….foi ai que eu larguei o curso de direito…e hoje com muito orgulho eu digo pra todo mundo que eu curso odontologia, vou ser doutor na area da saude e quando terminar vou fazer residencia em buco maxilo……MAS DEIXO BEM CLARO QUE NUNCA PASSOU NA MINHA CABEÇA EM FAZER MEDICINA…..AMO ODONTOLOGIA !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  22. Médica frustrada, nunca. Cirurgiã Dentista com orgulho sempre! 😀 (Até tatuei um dente nas minhas costas pra ilustrar meu amor… rss)

  23. Antes de fazer o vestibular para Odonto, tinha feito inscrição em Medicina, não sei qual razão não fui fazer o vestibular, o resultado de Odonto saiu antes de Medicina, na verdade eu já sabia o resultado antes do dia da prova de Medicina.

    Mas ter passado em Odonto não me fez desistir de Medicina, simplesmente algo me chamou para o lado da Odontologia, e hoje já estou no segundo período e cada dia que passa estou mais alegre pela escolha que fiz, todo dia fico pensando nas coisas novas que aprendo e quando vou começar a por elas em prática. 😀

  24. SENHOR, Obrigada por existirem pessoas assim !! AHAHAHAHA… Quero MATAR quem diz que quem escolhe odonto é pq nao passou em Med. RIDICULO.. Nunca quis ser médica… E detesto quando algum dentista frustrado só reclama da profissão e termina com a célebre frase “Devia ter feito medicina” AAAARGH que raiva… Adorei o Post. !! =)

  25. Muitos médicos nem deveriam ser chamados de doutor… e muitos dentistas merecem ser chamados de AMIGOS.
    Parabéns pelo aniversário do blog.

  26. Nossa, muito bom o seu post!
    Expressa justamente o que eu NUNCA quis, e deixa claro a minha primeira e ÚNICA opção: ODONTOLOGIA!!
    Nem todo mundo tem vocação pra medicina.. Eu por exemplo desde piveta sempre quis a odontologia, mesmo com a insistência dos meus pais em MEDICINA!! ¬¬ E aliás… meu pai me fez tentar vestibular pra Medicina, só que na hora de marcar a opção de curso, o único que eu marquei foi: ODONTOLOGIA!! E hoje, me encontro realizada fazendo o curso que eu sempre quis.

    1. Que bom, Fernanda! Fico feliz… a melhor coisa do mundo é fazer o que a gente gosta!

      Quer dizer que você enganou seu pobre pai? Tsc tsc tsc… 😀

      Abraço e obrigada pelo comentário (e pela visita).

  27. aaa ótimo texto
    to em ano de vestibular…
    tava na duvida(e confesso, que ainda to com um pouco) se eu faria uma coisa que da status (tipo medicina)
    ou uma coisa que eu realmente quero (odonto)
    mas acho que vou ficar com odonto mesmo
    adianta nada eu fazer uma coisa que não gosto. 😀

  28. Olá, Ana Tokus, amei seu blog a cada página me dá mais vontade de ler, muito bacana mesmo. Bom eu sou estudante do último ano do ensino médio, e estou com muitas dúvidas em relação a qual caminho profissional devo seguir, desde de muito nova sonhei em ser dentista e ainda sonho, mais não sei se é o que realmente desejo. Acho normal essas dúvidas mas, gostaria de saber como foi sua experiência ao querer se tornar dentista, e se foi cheio de dividas assim como eu?! Obrigada .. Beijos. (espero que responda aguardo ansiosamente a resposta)

    1. Oi Samantha! Muito obrigada… fico muito feliz em saber que você gosta do blog! 🙂

      Então… normalmente quando a gente tem um sonho desde criança é algo em que se deveria prestar atenção. Da forma como você se expressa não vejo tantas dúvidas quanto você diz que tem… pelo menos não mais do que aquelas que todo mundo tem, entre elas as principais: será que vai dar certo? Será que eu não vou me arrepender depois?

      Uma boa forma de tirar essas dúvidas da cabeça é conversar com os profissionais da área. Acho que você deveria visitar um consultório odontológico pra se familliarizar com o ambiente e a rotina de um dentista. Assim dá pra trazer pra realidade aquela visão meio “romântica” que às vezes a gente tem. De forma mais pessoal, pense em quais matérias você se dá melhor… biologia? Química (se bem que eu sempre odiei química :))? Essas respostas também ajudam a decifrar se é esse o caminho que você quer seguir mesmo.

      Pra mim, a decisão pela Odontologia foi algo muito racional, não teve nada a ver com sonho. Eu sempre fui (e sou) uma pessoa muito prática, e quando resolvi prestar vestibular foi por razões “estratégicas”, queria dar uma guinada na minha vida profissional. Bem, consegui. Aqui estou, e acho que acertei sim.

      O fato é: certeza MESMO a gente nunca tem, e só vai saber tentando. Mas a impressão que eu tenho é que você leva jeito…

      Precisando ou tendo qualquer outra dúvida, é só chamar! Beijo!

      1. Oii querida, só pude ver sua resposta hoje. E fiquei muito feliz… Agradeço muito pela mensagem, de certa forma pode me ajudar bastante. Beijos e sucesso sempre. * -*

  29. Ótimo post!!! Estou no primeiro período do curso de Medicina, e quando vejo algum colega dizendo coisas desse tipo, acho um absurdo. As profissãoes se integram, e uma completa a outra. O que seria de um médico sem uma boa equipe de enfermeiros durante uma cirurgia? Ou sem um bom fisioterapeuta para reabilitar o paciente? Médicos que agem dessa forma deveriam reavaliar seus conceitos, e perceber que ser médico sozinho, sem as outras carreiras completando o curso, não daria em nada. Grande abraço a todos!

    1. Eduardo, eu estava torcendo pra que um médico (ou acadêmico) INTELIGENTE comentasse esse post… e eis você aqui! 🙂

      É isso aí… cada um fazendo sua parte para o bem do paciente. Equipe interdisciplinar é isso…. Continue pensando dessa forma é você será um excelente médico, tenho certeza.

      Obrigada pela visita e pelo comentário. Um abraço! 🙂

  30. Eu QUERIA ser médico. E olha que eu tentei! De todas as minhas tentativas, só uma pra Odontologia: a que eu passei no vestibular. Destino? Não sei…

    Sou frustrado? Confesso que às vezes, sim. Mas não por não gostar da odonto ou ficar pensando no “SE eu tivesse feito Medicina”. A Odontologia foi um curso que me surpreendeu e que me conquistou, de verdade. E a cada dia que passa vejo que, por mais concorrida que esteja, ainda oferece grandes oportunidades de trabalho. Mas é preciso se mexer. Foi-se o tempo em que ficar trancado entre as 4 paredes do consultório garantia a sobrevivência de alguém. A Odontologia de hoje é dinâmica, inovadora, empreendedora. Então, o que me frustra?

    A desunião da classe, a verdadeira prostituição em que muitos colegas insistem em transformar nossa profissão. A não valorização de nosso trabalho como deveria ser, seja por parte dos próprios colegas, que se submetem a valores ridículos no afã de conquistar pacientes, seja por parte dos nossos pacientes, que muitas vezes nos vêem como mercenários ao cobrar pelo valor de uma consulta. Acham que dentista tem obrigação de dar uma “olhadinha”. Não, não tem. Tem obrigação, sim, de oferecer uma consulta muito bem feita, colocando em prática todo o conhecimento adquirido durante toda a sua formação profissional.

    Já pensei em desistir? JÁ! Tem hora que cansa! Mas o que é mais importante: desisti de desistir. Resolvi seguir em frente. Não vai ser desistindo que vou conseguir uma Odontologia melhor para meus pacientes. Pelo contrário. É arregaçando as mangas, é estudando, é inovando, que vou conseguir levar o que há de melhor até eles. Tenho competência pra isso. Mais do que nunca tenho orgulho em dizer: sou cirurgião dentista (ou odontólogo, tanto faz!). E tenho a certeza de que sou realizado nessa tão bela profissão!

  31. Post sensacional, belas palavras, ótima escrita=)!!! Concordo em gênero, número e grau contigo! eu, desde que me entendo por gente, quis ser dentista e com aversão a idéia de fazer medicina! Parabéns a nós que sempre sonhamos, e realizamos, ser dentistas! hehe! bjsbjsbjs

  32. E isso acontece com tudo!!!
    Sou Nutricionista, e vivo nesse mesmo mundo.
    Que um dia haja VERDADEIRAMENTE, e SINCERAMENTE a equipe INTERDISCIPLINAR!

  33. Clap!…Clap!…Clap!…Clap! Bato palmas pra vc Ana, belo texto, belo raciocínio belíssima iniciativa, eu sou estudante de odontologia, começei agora, vejo essa reação (criticas não construtivas) acontecer partindo de algumas pessoas, e quando acontecer de novo, vou dar-lhes o endereço do site e manda-los dar uma olhada no seu texto!

    Parabéns mais uma vez!

    1. Obrigada, Alexandre! Faça isso mesmo… aí essa gente que tem muito tempo livre pra pensar esse tipo de coisa arruma uma ocupação lendo o blog. 😀

      Valeu pela visita e pelo comentário!

  34. EU TAMBÉM NUNCA QUIS SER MÉDICA!
    Bobagem, mas sei que existem pessoas que pensam assim! No meu caso… meu pai gostaria que eu fosse engenheira… mas nunca me interessei por essa area! Desde pequena queria ser dentista, até pq gostava e ainda gosto muito do meu dentista! E gostava tambem da dentista da escola! Ia la sem ter nada pra fazer! hehehe…
    Mas adorava! E até hoje gosto… Sei que é dificil… mas tenho certeza da escolha que fiz e sei que essa essa escolha foi minha!
    Adorei o post!

  35. ADOREI!!!! Você deixou bem claro que a Odontologia é uma escolha de pessoas que realmente sonharam com a profissão, de muitos pelo menos. Infelizmente ainda existe muito este tipo de opinião ignorante, de que dentistas só o são por não conseguirem ser médicos, quanta besteira. Sou estudante, e escolhi por Odontologia por acreditar na profissão, amo de paixão meu curso e não troco isso por nada no mundo. Espero que muitos tenham a sorte de escolher uma profissão tão linda quanto a nossa (futuramente a minha) e capacidade é claro de mostrar o lado bom da Odonto. Para ser dentista não é mole não minha gente, tem que suar muito a camisa. Adorei de coração seu texto, e a cada dia mais me apaixono pelo mundo fantástico da Odonto. Um super beijo e vou mostrar seu texto para ‘alguns’ que conheço e estão precisando de um choque de realidade e bom senso. Beijo Ana querida!

  36. Eu tbém nunca quis ser médica.
    Excelente post! Parabéns!
    Sou mais uma do clube dos dentistas que sempre quiseram ser dentistas!!!!
    bjssssssssss, Linda!

  37. Ana… Se serve de consolo… EU TAMBÉM NUNCA QUIS SER MÉDICA!!! Mas também não sou dentista… rs
    Parabéns pelos posts… Cada dia melhor!!!
    Beijos!!!
    Angelica

  38. Obrigada pela visita e pelo comentário. Realmente se todos fizermos um bocadinho de consciencialização no futuro não existirão tantos problemas dentários. Gostei do teu site, vou seguir. Beijo

  39. Minha família é de dentistas a mais de 100 anos, por isso sei o que estou falando. Este assunto não é novo, começou na década de 60 do século passado, quando começou o boom das faculdades de Odontologia. Até então, a primeira opção na área da saúde era sempre Medicina, a segunda era Odontologia. Conheci muitos dentistas que não conseguiram entrar em Medicina e transformaram-se em profissionais frustrados.
    Só por curiosidade, eu nem dentista queria ser, muito menos médico. Por ironia do destino hoje sou as duas coisas, em Portugal não existe dentista, e sim Médico Dentista 🙂

    Excelente post, impressionante como este blog esta cada vez melhor!

  40. Excelente post, eu também nunca quis medicina e acho deprimente quem larga o sonho de ser médico pra virar cirurgião-dentista porque o Vestibular é mais fácil, NÃO ACHE que o curso seja mais fácil também, você vai quebrar a cara feio hahahaha… além do fato que quem faz esse tipo de coisa vai ser um dentista frustrado e são esses que realizam desgraças nas bocas dos pacientes.

    Quanto ao dinheiro, sinceramente tem MUITO dentista que ganha muito mais que médico, nos EUA e na Europa, geralmente dentista ganha mais que médico. E não é pelo fato deles serem melhores (pois o Brasil possui os melhores clinicos), nem pelo fato de que em alguns lugares a Odontologia ser especialidade da medicina (o que nos torna melhores de novo), mas sim porque os dentistas de lá sabem dar valor à profissão, são unidos e não possuem tantos frustrados para denegrir a imagem da Odontologia.

    SE VOCÊ É DENTISTA E NÃO GANHA BEM PARA TER UMA VIDA CONFORTÁVEL REVEJA SEUS CONCEITOS, VOCÊ PROVAVELMENTE ESTÁ FAZENDO ERRADO!!!

    1. Realmente, Guilherme… talvez seja um pouco mais fácil que Medicina pra entrar… mas não é qualquer um que se forma em Odonto não! Tem que ralar! 🙂

      Obrigada pela visita e pelo comentário.

  41. Ameiiiiiiii o post! Não poderia ser mais direto e explicativo. Ana vc é 1000 mesmo!
    Também NUNCA quis ser MÉDICA. Mas como dizem que de médico e louco todo muito tem um pouco, já me sinto realizada por esse porcentagem no sangue. 😛
    Eu queria tanto ser dentista que fiz 3 vestibulares e larguei Direito, curso que já fazia há um ano e até gostava. Esse foi um arrependimento, não ter terminando os 2 cursos. No entanto, vocação mesmo tinha para o que sou, DENTISTA.
    Com todos bons e ruins momentos, acho que faço de melhor quanto estou sentado num consultório diante de meu paciente. Além de meus queridos cupcakes, lógico! 🙂
    E a quem dá nome aos bois, se o frustrado é esse que nao passou naquele curso, acho que fica frustrado quem sabe de sua necessidade e daquilo que quer pra si. Simples assim!
    Bjssssssss pra minha dentista adorada a quem nao tenho medo nenhum, Ana Tokus!
    Paula

  42. Parabéns por mais um ótimo post!

    Esse descreve direitinho o que muitos de nós passamos, eu tambem sou um caso de que nunca quis ser médica.

      1. Também nunca quis medicina, mas infelizmente já ouvi esta resposta meio cretina de meus próprios colegas de curso às vezes… Quem entende?
        A Odontologia é um curso apaixonante. Eu mesmo nunca antes havia pensado em cursar, admito. Mas adoro o que faço hoje.
        Apesar de ter que aguentar essa às vezes… rs
        Adoro o blog!

          1. Concordo plenamente que dentista não é, necessariamente, a segunda opção para quem queria, mesmo, a Medicina! Não posso concordar, entretanto, “que os dentistas sabem o mesmo que um médico generalista” e nem que as matérias são as mesmas! Procurem a grade de uma faculdade de medicina e constatarão lá que estou sendo correto na minha informação. Precisamos dos dentistas da mesmíssima forma que precisamos do médico, do mecânico de autos, do açougueiro, do policial, etc. Todas as profissões honestas são de mesma utilidade à sociedade. Portanto, ninguém é melhor ou mais útil que outra pessoa só por exercer profissão diferente.

          2. Acácio, as matérias do ciclo básico são a mesmas, sim (com uma ou outra variação é claro, comparar grades não faz sentido). Anatomia (geral, e não só dentária), fisiologia, patologia, farmacologia e por aí vai. E tudo isso considerando o organismo completo do paciente, não só a cabeça e o pescoço. E sim, o dentista tem que saber o mesmo que um médico generalista. Veja, eu não disse que ele tem que tratar o paciente… mas ele tem que saber identificar (ou pelo menos “desconfiar” de) uma série de patologias de interesse médico: diabetes, hipertensão arterial, etc., sob pena de matar o paciente na cadeira (sem exagero, acredite, acontece) se não considerar certas condições sistêmicas.

            Concordo com você: “ninguém é melhor ou mais útil que outra pessoa só por exercer profissão diferente”.

A área de comentários / perguntas está fechada. Agradeço a compreensão.

No plantão: Ana Tokus

Cirurgiã-dentista graduada pela Universidade Federal do Paraná, especialista em Radiologia Odontológica e Imaginologia pela ABO-PR, convicta de que medo de dentista se combate (também) com informação. Diva-Boss do OdontoDivas e autora do Blog Raios Xis. Twitter: @AnaTokus e @medodedentista