Sobre infecções dentárias e gente famosa


Desde que a ex-modelo Renata Banhara passou a ocupar boa parte do tempo dos programas de variedades na TV (digamos assim) contando sobre sua luta pra se livrar de uma bactéria no dente (digamos assim), muita gente tem me perguntado sobre o caso e se uma infecção dentária pode matar.

Até que, semana passada, matou. E matou uma pessoa conhecida.

Renata parece estar se recuperando bem, mas infelizmente o cantor Ricardo Bueno, de 40 anos, ex-vocalista da banda Dominó, sucesso nos anos 90, não teve a mesma sorte: ele morreu em consequência de sepse e abscesso odontogênico, segundo informações da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo. Casos como esse deixam a gente triste, mas ao mesmo tempo acabam sendo uma oportunidade de se falar em saúde (bucal), já que tem bastante gente prestando atenção, seja por curiosidade, seja por medo de que lhe aconteça o mesmo.

Ricardo Bueno

O que é sepse?

Sepse é o que geralmente as pessoas chamam de “infecção generalizada”. Grosso modo, é uma resposta inflamatória exagerada do organismo diante de uma infecção. Uma infecção local – em qualquer lugar, inclusive num dente – pode chegar a outros órgãos do corpo através do sangue. Quando a inflamação – que na verdade é um mecanismo de defesa do nosso organismo – é exagerada, tem-se a sepse… que pode ser fatal, ao comprometer o funcionamento de diversos órgãos.

O que é abscesso odontogênico (dentário)?

Já o abscesso é um acúmulo de pus. Quando um dente necrosa (seu nervo “morre”), por exemplo, as bactérias ali presentes podem levar à formação de um abscesso. O pus pode entrar nos tecidos e causar algo chamado celulite infecciosa, que ao se espalhar para os nódulos linfáticos e corrente sanguínea leva a complicações graves. Inclusive à morte.

Calma gente, isso não é comum. Mas sim, acontece.

E o que aconteceu com o cantor?

Só com base nas notícias, a gente não sabe ao certo. Ele pode nunca ter tratado o canal, o que levou ao abscesso e às demais complicações; pode ter começado o tratamento de canal e parado no meio; pode ter completado o tratamento direitinho, mas a infecção voltou… não sei.

Aí as pessoas começam a ouvir um monte de coisas da TV e obtêm um punhado de informações duvidosas da Internet e o terror se espalha: “Você viu aquela modelo? Ela quase morreu por causa de um tratamento de canal! E aquele cantor… ele morreu por causa de um tratamento de canal mal feito!”

Não, gente… não. Tratamentos de canal não matam ninguém, o que pode matar é não parar uma infecção… e tratar o canal de um dente é, exatamente, agir no sentido de parar uma infecção. Sempre dá certo? Sempre é bem executado? Claro que não. Mas posso afirmar sem medo de falar bobagem: ninguém nunca morreu por causa de um tratamento de canal… mas por deixar de tratar uma infecção, já.

Então, se você percebeu alguma alteração dentária, na gengiva, na bochecha… seja onde for: procure um dentista o mais rápido possível. Não espere as coisas chegarem em um ponto sem volta… não confie na sorte. Vá sempre ao dentista.

Compartilhe:

Comentários via Facebook


Categoria: Endodontia

No plantão: Ana Tokus

Cirurgiã-dentista graduada pela Universidade Federal do Paraná, especialista em Radiologia Odontológica e Imaginologia pela ABO-PR, convicta de que medo de dentista se combate (também) com informação. Diva-Boss do OdontoDivas e autora do Blog Raios Xis.

Twitter: @AnaTokus e @medodedentista