Será mesmo que a culpa do seu medo de dentista é da sua mãe?


Nos últimos dias um artigo científico com o título Contágio emocional do medo de dentista para os filhos: o papel mediador do pai na transferência parental do medo (Emotional contagion of dental fear to children: the fathers’ mediating role in parental transfer of fear. International Journal of Paediatric Dentistry 2012; 22:324–330) publicado em 2012 surgiu como novidade em alguns portais de notícias. Segundo esse artigo, supostamente, se você tem medo de dentista, a culpa é da sua mãe. Ok, se a conclusão do estudo fosse essa. Mas não é. Parece que alguém ouviu o galo cantar e não soube onde…

Quico e Dona Florinda
A culpa é da mãe?

Fui procurada pra dar entrevista sobre o assunto, com o entrevistador já partindo do princípio de que a afirmação “a culpa é da mãe” era verdadeira. Achei estranho. Esse não é um artigo que dê pra ler de forma livre na Internet, só consegui ler o resumo, e nele não constava a conclusão “a culpa é da mãe”. Esclareci que, pelo resumo, não me parecia que o estudo apontasse as mães como principais responsáveis pelo medo dos filhos, pelo contrário, o artigo trabalha com a hipótese de que o pai tem um papel chave na transmissão do medo de mãe para filho (“We have hypothesized a key role of the father in the transfer of dental fear from mother to child”). Infelizmente, sem ler o artigo completo, ficava difícil explicar o significado dessa afirmação no contexto da pesquisa. Mesmo assim, qual a manchete do Portal quando a entrevista foi publicada? “Mãe é culpada por medo de dentista dos filhos, diz estudo”. Humpf. 🙁

Mas aí meu grande amigo, o Dr. Alexandre Koga do ótimo blog Ortodontia Para Todos, conseguiu o artigo completo pra mim! Aí eu li e consegui entender a proposta da pesquisa. Senta que lá vem história…

A culpa é da mãe?

Foram selecionadas 183 crianças com idades entre 7 e 12 anos. Elas, pais e mães receberam questionários para classificar seus níveis de medo de dentista. A ideia do estudo era analisar a eventual transferência emocional do medo de dentista entre os membros da família, de forma a entender os mecanismos de sua transmissão. As hipóteses trabalhadas eram duas: primeiramente, determinar se há ligação entre os níveis de medo da mãe, do pai e da criança e, em particular, levantar se quanto mais medo de dentista tem um dos três, mais medo terão os outros dois. Isso feito, o objetivo era então definir quais os papéis do pai e da mãe na transferência do medo para os filhos.

Assim como em estudos anteriores sobre o tema, a conclusão a que se chegou é de que existe uma relação direta e significativa entre os diferentes níveis de medo de dentista relatados pelos membros da família, o que sugere que realmente há transferência emocional de medo de dentista entre pais e filhos.

Outros estudos já haviam sido realizados nesse sentido, mas o legal dessa pesquisa é que ela analisa o papel do pai e da mãe separadamente, enquanto, antes dela, só se havia considerado o comportamento das crianças em atendimento odontológico com relação ao nível de ansiedade manifesto em um dos pais, quase sempre a mãe (afinal, é a mãe que geralmente leva o filho ao dentista).

Pois bem: pais e mães desempenham papéis diferentes na transmissão do medo de dentista para os filhos. Foi usado um método estatístico chamado análise de regressão pra interpretar os dados obtidos na pesquisa e, de acordo com essa análise, a criança vê o PAI como uma fonte essencial de informação pra decidir se uma consulta odontológica pode ser “perigosa” ou não. Olha que interessante (parece que o jogo virou, não é mesmo?)… a análise dos dados leva a concluir que o medo de dentista da mãe serve como um “termômetro” que nos fala sobre os níveis de medo de dentista da família toda, mas o medo do PAI é que pode ser considerado um mediador para o medo de dentista que as mães e os filhos têm. Ou seja: quando pai e mãe têm medo de dentista, é o nível de medo do pai que prediz o nível de medo do filho.

Ok… então de quem é a culpa?

De ninguém, oras! O artigo não tem a intenção de culpar nem pai nem mãe pelo medo de dentista dos filhos, mas de mostrar que os papéis do pai e da mãe na transferência desse medo são diferentes. A mãe é a variável independente, o pai a variável mediadora e, o filho, a variável dependente.

Outros artigos citados no estudo trazem conclusões interessantes, também, e que confirmam os resultados da pesquisa: para crianças de até 12 anos, o medo de dentista do pai é o melhor indicador do medo de dentista em potencial dos filhos. Em crianças de 9 anos de idade, faixa etária da amostra desse estudo, o medo de dentista (geral) e o “medo de ter cárie” do pai são os melhores preditores para os mesmos medos dos filhos.

A boa notícia é que a prevalência de um medo de dentista significativo em crianças foi de apenas 4,9%, o que é bem baixo, já que a literatura fala num intervalo de 5 a 20%, com média de 11%. Claro que isso pode significar apenas uma restrição dos resultados, considerando as limitações da amostra e o tipo de análise que foi feito. Mas mesmo assim achei legal. 🙂 Com relação ao gênero, o estudo encontrou maior incidência de medo de dentista entre as meninas (comento essa conclusão mais adiante).

Uma das conclusões do artigo é que são necessárias mais pesquisas pra se entender o papel específico da mãe na transferência do medo de dentista para os filhos, já que isso certamente depende da idade da criança. Correlacionar o estágio de desenvolvimento da criança com o potencial de transferência do medo de dentista pelos pais é importante, pois pode ajudar dentistas e odontopediatras a antecipar e prevenir reações de medo das crianças durante a consulta.

Por fim, concluiu-se que o medo do pai é um fator-chave não só na transmissão do medo de dentista para os filhos mas na interrupção do contágio emocional entre os membros da família. Portanto, quaisquer intervenções destinadas a reduzir os níveis de medo de dentista do pai (informações sobre o tratamento, técnicas de relaxamento, enfim, qualquer estratégia que quebre a expectativa do “pior”) podem ajudar a atenuar ou até neutralizar a propagação do medo odontológico para a família toda. Quando os pais exibem calma e emoções positivas, o dentista deve incentivar a criança a prestar atenção no comportamento dos pais pois, ao fazer isso, ela é exposta a um modelo positivo que fornece “pistas” tranquilizadoras sobre como interpretar as situações dentro de um consultório odontológico.

O que eu acho disso tudo?

Eu interpreto da seguinte forma: os filhos tendem a perceber o pai como alguém corajoso, como um defensor. Se o pai tem medo de dentista, os filhos acharão que devem ter também. É tipo quando o filho vê uma aranha enorme (na perspectiva dele) e chama o pai pra se livrar dela. Se o pai disser “Eu não! Tenho medo desse bicho!” e sair correndo, há uma grande possibilidade do filho começar a ter medo de aranha… afinal a referência de coragem dele não é assim tão corajosa. Já se quem fugir da aranha for a mãe, o filho entende isso como “normal”, como uma vulnerabilidade dela, e não necessariamente ele terá medo de aranha por causa disso.

Não é difícil de entender essa lógica se considerarmos o contexto machista em que vivemos… às mulheres, de forma geral, é permitido (e às vezes desejável (!)) demonstrar vulnerabilidade; aos homens, não (o artigo chama isso de “desejabilidade social” e admite que esse fator, além do nível sócio-econômico parecido dos indivíduos da amostra, pode ter contribuído para alterar o resultado, mesmo que em menor grau). Se uma mulher diz ter medo de dentista, ok. Já se um homem admite que tem medo de dentista (e o uso do verbo “admitir”, aqui, não é coincidência), vai ter quem diga que é “frescura”, que ele ~não é homem de verdade~. O que ele faz? Guarda isso pra si. Esse é certamente um dos motivos pelos quais os maiores níveis de medo de dentista foram relatados pelas meninas e pelas mães.

Enfim… espero ter esclarecido e “absolvido” as mães: em nenhum momento o artigo diz que os filhos têm medo de dentista por causa da mãe, mas que ambos os pais transmitem esse medo de forma diferente, sendo que o nível de medo do pai é uma variável mais fiel pra medir o nível de medo de dentista dos filhos.

Compartilhe:

Comentários via Facebook


Categoria: Apoio Psicológico

Marcadores:

42 comentários

  1. Já estou me preparando para levar meus sisos ao abate :-/
    Todos já nasceram, mas estão atrapalhando a mordida. Espero nao ter nada dessas coisas q andei lendo na internet de parestesia. Tem blogs de dentistas q os relatos dos pacientes são assombrosos.
    Oremos! :-O

    1. Amigo, não se preocupe. Na Internet (nos blogs, enfim) as pessoas se reúnem pra contar problemas e receber sugestões de solução. Dificilmente alguém entra num blog de Odontologia só pra contar que foi ao dentista e deu tudo certo e, acredite, na maioria dos casos é isso que acontece. 😉

  2. Olá Dra. Ana!
    Já faz alguns anos que acompanho seu blog, mas nunca tive a oportunidade de fazer um comentário. Estou com uma dúvida:
    Ontem estive no consultório da minha dentista e ela disse que minha escovação está muito boa e que não tem nada de errado com os meus dentes. Sendo assim, ela fez uma profilaxia com o jato de bicarbonato e me mandou retornar em seis meses.
    À noite eu estava passando o fio dental e percebi que entre dois dentes há uma manchinha branca… Como já tive muitas cáries e morro de medo de tê-las de volta, fiquei bem encucada com essa mancha…
    Aliás, possuo vários dentes manchados.
    Será que a dentista não viu e terei que voltar ao consultório?

    1. Primeiramente, obrigada pela “audiência”, Alessandra. <3 Acredito que não. Nem toda mancha num dente é cárie. Sua dentista pode até não ter visto alguma coisa, mas realmente acho improvável (até porque você fala em várias manchas. Se fosse, cáries, ela teria várias oportunidades de notar).

  3. Ola,
    Gostaria de saber por que os braquetes que ficam nos caninos e nos molares tem aquela pontinha pra fora.
    Os braquetes dos dentes da frente não tem isso, são apenas aquele retangulo normal, mas o dos outros dentes tem aquela pontinha. Essa pontinha é pra cima se o braquete for de um dente de cima e nos dentes de baixo esse bracinho do aparelho aponta pra baixo. Gostaria de saber o porquê. E esses bracinhos dos braquetes tão machucando meu labio inferior porque meus caninos de baixo são bem tortos, então eu devo simplesmente aguentar essa dorzinha ate os dentes ficarem alinhados ou devo ir no dentista e pedir pra ele fazer alguma coisa? Acho que o único jeito disso não tocar no meu labio seria se colasse o braquete mais na ponta do canino mas ai não sei se pode.
    Mas sera que por estar tocando no meu labio, o labio vai fazer resistencia a movimentação dos dentes? Ta tocando suavemente na parte interna do labio mas já ta aparecendo uma feridinha pequenininha, isso é normal pra quem tem dentes muito tortos???

  4. Boa noite, a duvida nao tem nd a ver com o assunto mas espero que responda.
    Fiz a cirurgia frectomia e usei aparelho fixo 3 anos, e movel 1 ano, e retencao apenas nos dentes de baixo. Como embaixo meus dentes eram normais, quando a retencao quebrou nao foi preciso fazer outra, e o aparelho movel usava ate hj, quase 4 anos, depois apenas para dormir de vez em quando, mas td vez q usava sentia dor e retirava de madrugada, o q isso pode dizer? Eu perdi o movel faz alguns meses, devo fazer outro? Pois a dentista garantiu q o dente so voltaria caso nao fizesse cirurgia, mas mesmo assim estou com mt medo de voltar e ja fico vendo espaco entre eles por tanta cisma q to rs.

    1. Luana, o fato de você deixar de usar o aparelho removível regularmente já é o suficiente pra que, depois de alguns dias, ele não “caiba” mais. É assim mesmo, os dentes tendem a se reacomodarem, já que não estão mais unidos pelo aparelho fixo. Se você, agora, já não usa a contenção há meses, não adianta fazer outra.

  5. Boa noite, Dra. Ana. Eu sou a Catia que extraiu o siso ha mais de dois meses, tive alveolite, tomei metronidazol, nimesulida, azitromicina, mas ainda não cicatrizou, sinto dor interna na mandíbula, o que eu faço, será que o meu nervo não foi afetado? Parestesia? Já não sei o que fazer, perdi o paladar, meus dentes estão todos manchados, não consigo morder uma fruta que doi. Fui tirar um dente e os outros ficaram prejudicados. Confesso que estou deprimida por causa disso. Será que devo procurar um bucomaxilo?

  6. Extrai 4 pre-molares, 2 em cima e 2 embaixo, para colocar aparelho.

    Tipo, eu ouvi dizer que quando se arranca um dente, os dentes de tras vao sozinhos caminhando pra frente ate fechar o espaço criado.
    Mas tipo se isso acontecer, entao eu arranquei a toa os dentes, pq realmente minha boca tem pouco espaço e tive que arrancar pra arrumar espaço, ai imagina se fecha ai foi tudo a toa??

    O problema é que arranquei os pré-molares da parte de baixo mas ainda nao coloquei aparelho em baixo, só em cima, pq o dentista viajou, se ele demorar pra voltar como fica??? Ele nao colocou aquelas coisas que travam os dentes, ou seja, os dentes estao se movendo sozinhos para ocupar a lacuna formada, ai se fechar vou ficar bem chateado porque arranquei a toa, o dentista foi irresponsavel, ne nao?? Ou mesmo se fechar tem jeito de abrir o espaço de novo ??
    To preocupado com isso. Preciso me preocupar mesmo ou to me exaltando??
    Não quero escutar que arranquei os dentes por motivo algum.
    Acho que ele volta em 3 semanas, mas nesse tempo os dentes ja nao vao andar muuito? E no meu caso eu realmente precisaria de todo o espaço dos dentes extraidos.

    O que eu faço?? Corro risco de ser muito prejudicado?
    Aguardo resposta
    Obrigado

    1. Roberto, CALMA. Seus dentes não vão se mover e ocupar os espaços dos dentes extraídos em 3 semanas, pode ficar tranquilo. Quando o espaço se fecha ou quase se fecha (e isso pode levar meses) é pela inclinação do dentes, eles não “caminham” verticalmente… eles “tombam” em direção ao espaço vago. De qualquer forma, você está em meio a um tratamento ortodôntico, nada disso vai acontecer, pois é uma situação controlada. Fique tranquilo e aguarde a volta do seu ortodontista pra continuar o tratamento. Essas extrações não foram à toa.

  7. Boa noite dra. Fiz um raio x panorâmico e algumas coisas me preocuparam. Gostaria por gentileza de um parecer seu sobre, e enviei por email. Só verei o dentista semana q vem e estou muito ansiosa e nervosa.
    Outras três perguntas:
    É normal devido ao siso, sentir dores de cabeça / mandíbula e tontura?
    De sentir um gosto amargo na boca de vez em quando?
    De a gengiva sangrar repentinamente e frequentemente?

    Agradeço!

    1. Carla, sim, dependendo da sua idade o siso pode estra nascendo e causando esses sintomas (exceto a tontura, isso não é algo comum). O gosto amargo pode ter a ver com algum processo inflamatório em curso. Sangramento espontâneo frequente da gengiva não é normal e é um sinal clássico de gengivite. Se o sangramento é só na região do siso, pode ser uma pericoronarite, como explico aqui –> http://medodedentista.com.br/2011/11/gengiva-inflamada-por-causa-do-siso.html

  8. Olá Dra, estou a usar aparelho faz 7 meses, o meu problema segundo o que me foi dito é que o meu maxilar não cresceu o que deu origem aos dentes incisivos inferiores tortos e aos dois caninos superiores muito em cima. Já se nota uma diferença nos inferiores e agr chegou a altura para tirar os pré molares junto aos caninos, a minha dentista disse que o melhor procedimento seria esse de tirar os pré molares tanto de cima como em baixo e não de colocar aquele aparelho para alargar o maxilar porque eu tenho os dentes muito grandes. Meu tio que vive aí no Brasil também é dentista e deu a mesma opinião quando me veio visitar antes de colocar o aparelho. Você tem a mesma opinião? Já agora tenho 16 anos.
    Desde já muito obrigado!

    1. Então, Daniel… só com base no seu relato fica difícil opinar. Mas não vejo problema, em princípio, no plano de tratamento da sua dentista.

  9. Dra… eu to um pouco angustiada, se vc puder me aconselhar algo… estou no décimo período de Odontologia! Estudo numa federal, mas a disciplina de cirurgia foi péssima… fiz só 5 cirurgias na graduação, devido a uma série de problemas que ocorreram na disciplina mesmo… Estou quase me formando e não me sinto nem um pouco segura com respeito a essa área. E na minha faculdade só fazemos cirurgia em 2 períodos… esse semestre, se eu muito fizer, será mais umas 2 no máximo. O que vc aconselha que eu faça? Dá para trabalhar sem fazer exodontias? Só com dentística, perio e etc? Na minha faculdade não tem nenhum projeto nem nada onde possamos realizar exodontias 🙁 sei q há um curso pago de aperfeiçoamento em cirurgia (aperfeiçoamento, e não especialização)… acha que compensa eu fazer? Tem algum conselho? Queria ir num postinho observar algum profissional fazer exodontias, mas acho q nem pode neh? To bem mal, quase formada e me sentindo despreparada por culpa da universidade…

    1. Ray, vale a pena investir num aperfeiçoamento sim… um curso de cirurgia oral menor, por exemplo. Mas não fique assim, essa sensação de despreparo é bem comum, todo aluno de Odonto ou dentista recém-formado já passou por isso. Não sei se você gosta de cirurgia mas, se gosta, vai acabar aprendendo bastante e desenvolvendo habilidades. Se não gosta, pelo menos vai saber o básico pra ficar tranquila (meu caso, que nunca fui muito de cirurgia, mas absorvi tudo que pude na faculdade, teve até uma optativa que “caiu no meu colo” e eu fui lá e fiz). Os dentistas trabalham muito em sistema de parceria, até dá pra trabalhar sem fazer exo, depende do lugar que você vai trabalhar. É possível.

  10. Oi dra, ha alguns anos tive carie no penultimo dente na parte de cima e precisaria fazer canal, o dentista fez um curativo e me indicou outro para fazer o canal, fiquei com o curativo e nao voltei por falta de condiçao financeira, quando saiu, voltei ao mesmo dentista que fez as restauraçoes nos outros dentes e refez o curativo e novamente indicou outro profissional pra ver se ainda iria ter conserto, quando fui na outra dentista ela falou que eu precisava levar um papel com o historico do que tinha sido feito, quando fui buscar esse papel com o primeiro dentista ele nao quis dar, e nesse tempo o curativo tinha saido, ele pediu pra dar uma olhada e disse que não tinha jeito, me indicou outro dentista para extraçao e que nao era pra eu falar o nome dele, nao era pra falar q foi ele q indicou, que era so pra falar q saiu o curativo e uma amiga recomendou ele, fiquei sem entender, pensando q ele pode ter cometido algum erro e quis tirar o nome dele do problema… o resultado foi que sem curativo o dente quebrou e esta sem coroa… sera mesmo que vou precisar extrair? Ps: tenho muito medo, sempre passo mal antes de ir, chego q vomitar de ansiedade.

    1. Eu também não entendi, Carol.

      Só avaliando pra saber se ainda dá pra tratar o canal. Procure um especialista em endodontia de preferência… se der pra tratar, ele consegue.

    1. Luiz, é aquela regra… “tudo em excesso faz mal”. O suco, sim si, não é ruim… mas se a pessoa toma muito, pode causar erosão ácida nos dentes, com perda de esmalte. Eu falo só sobre isso aqui –> http://medodedentista.com.br/2012/11/erosao-acida-causas-e-prevencao.html

      Quando você tomar suco de limão, aguarde pelo menos 30 minutos antes de escovar os dentes, pra que a acidez do meio bucal diminua. Em ambiente muito ácido, a escovação pode contribuir, também, para o desgaste do esmalte dentário.

  11. Olá, doutora.
    Há alguns dias estava jantando e por acidente bati a colher nos dentes da frente. Não foi com força, incomodou um pouco e depois passou. Nos dias seguintes senti uma “pressão” em um deles, do meio do dente pra cima, que diminuía e aumentava, mas sempre estava lá. Aos poucos isso foi passando e os dentes estavam sem qualquer alteração visível, mas ainda sim continuou incomodando um pouco ao beber água gelada, para mastigar… Intrigada com isso, iluminei diretamente para ver melhor e acabei de descobrir que estão com linhas verticais, como se estivessem trincados. O dente que eu sentia uma “pressão” é o que tem essa “trinca” maior. Já marquei uma avaliação com o dentista para esta segunda-feira e estou bastante preocupada.

    1. Deve ser só uma trinca de esmalte, Larissa… e é provável que ela já estivesse aí antes de você bater. É comum. Em princípio tudo bem, isso não coloca seu dente em risco. O que é importante avaliar são as consequências da batida (se é que houve alguma).

  12. Doutora, eu to com gengivite e já faz um tempao, ate que eu comecei a sentir alguns dentes se mexendo, mas ai eu fiz o exame e não deu perda nenhuma, mas agora eu voltei a sentir de novo e não é o tempo todo que eu sinto, tem vezes que se mexe e tem vezes q n. É assim mesmo? E minha gengiva parece que ta normal, mas é só eu passar o fio dental pra no outro dia ela ficar todo inchada, ai é só eu parar de usar que ela volta ao normal e não sou eu que to machucando. E quanto mais eu uso mais ela vai piorando. O que pode ser? Pq to com medo de perder alguns dentes…

    1. Thais, se ela incha é porque não está normal. Usar o fio dental não piora sua gengiva em hipótese alguma se você está usando direitinho. Gengivite não causa mobilidade dentária, o que causa é a periodontite, um problema mais sério, um “próximo passo” da gengivite, digamos assim. Converse com o seu dentista e faça uma higienização BEM criteriosa.

  13. Oii, doutora! Como vai?
    Obrigada por dispor de seu tempo para nos tirar muitas dúvidas!

    Eu tirei o aparelho fixo semana passada e notei uma coisa: desvio da linha média. O meio da arcada de cima nao coincide com a de baixo. Esse problema é meu mesmo, da minha arcada, ou é do profissional que nao corrigiu direito? Meus dentes no geral sao pequenos, eu tinha um diastema na arcada inferior que ficava na lateral; com o tratamento, o espaço que era grandinho foi fechado. Isso é motivo pra ter esse desvio?

    Um outra observação: meus caninos sao pequenos e nem sao tao pontiagudos como deveria kkkk Eu nao sei se faz parte da anatomia deles, nao sei se posso dizer que é porque nao tinha como a raiz de um deles descer mais que o outro, mas eles nao ficaram no mesmo nível. A diferença é pequena, sutil, mas eu percebo. Foi erro do dentista? Ou é normal alguns dentes nao ficaram todos no mesmo nível, sabe? Eles não estão tortos.

    Aí o que acontece tbm devido ao desvio: de um lado, o canino menor encaixa direitinho com os dentes de baixo; já do outro lado, o canino maior fica sobre um dente e nao entre dois dentes como deveria ser o encaixe.

    Fico triste quando os profissionais falham com a gente. 🙁 Depositamos tanta confiança e dinheiro kkk

    1. Nick, não tem como eu opinar sobre os “erros e acertos” do seu ortodontista só com base no seu relato, sem examinar você ou conhecer o plano de tratamento. Não seria ético da minha parte (e, de qualquer forma, eu não fui designada perita pra fazer isso). Os pequenos “desajustes” que você descreve são comuns… dependendo do caso, era o máximo que podia ser feito dadas as condições do tratamento. Perfeição só com NSJC. 😉 Sugiro que você converse com o seu ortodontista e tire essas dúvidas diretamente com ele, ele certamente tem explicações pra isso (que podem convencer você ou não). Se você quiser procurar outro dentista pra ter uma opinião, também pode, é um direito seu.

  14. Doutora, fiz uma restauração profunda em um dente e ele passou a doer MUITO. Voltei no dentista, ele abriu o dente, viu que não tinha removido a cárie por completo, removeu, colocou um curativo e falou que se caso doesse novamente eu teria que fazer canal. Não doeu nada por enquanto, não me atrapalha quando como ou bebo, mas se coloco algo frio em cima do dente da uma pontada rápida. Pode ser pela profundidade da cárie?

    1. Lynho, antigamente se usava o termo obturação. Hoje prefere-se usar restauração, porque é mais adequado, já que o processo de remoção da cárie + preenchimento da cavidade que ficou com um material odontológico devolve a forma e a função do dente, restaurando-o mesmo. Obturar está mais pra “vedar”, e isso se faz quando se trata o canal de um dente (obturam-se os canais).

  15. Doutora, boa noite!

    Aquela restauração do 21 que eu tive que trocar, aí troquei, a dentista riscou meu dente todo, desgastou sem querer, a resina ficou mais clara, ETC e tal, hoje tá com um ponto laranja em cima da restauração, beeem perto da borda, como se fosse uma manchinha ou sujeirinha, eu passo fio, escova de tufo, interdental, normal, passo tudo e ela não sai. Isso há uns 3 meses já. O problema é que antes esse dente ficava tendo umas “pontadinhas” indolores (isso acontecia tbm qdo eu tive q trocar a antiga, nao estava c infiltração, mas tinha saído uma parte dela), aí eu nem ligava mais. Depois, ficou um bom tempo sem ter nada, aí agora não são pontadinhas indolores, é uma dorzinha incômoda que fica por um tempo, e depois some. Depois volta. Depois some. Fica assim.

    Eu gostaria de saber o que pode ser esse ponto? E essa dorzinha? Pode ter relação uma coisa c a outra? Pode ser só sensibilidade?

    obg ^^

    1. Oi Karen!

      Então… difícil dizer sem avaliar, mas pode ser um “quebradinho” da restauração (ou infiltração), causando uma mancha. Essas pontadinhas podem ser sintomas dessa infiltração. Mas estou só supondo.

  16. O clareamento clareia o dente todo ou só a frente dele? E é em todos os dentes ate os últimos la de trás? E no caso eu tenho uns dois dentes com mancha bem amarela em cima, vai ter que tirar essa mancha pra fazer o clareamento?

    1. Thais, só a frente dos dentes e geralmente até os segundos pré-molares (quando a gente sorri é só até aí que, quase sempre, aparece). É preciso avaliar que tipo de manchas são essas mas, em princípio, faz-se antes o clareamento e depois a remoção das manchas (ou restauração, o que for necessário).

  17. Olá Dra, boa noite! Então… o q os dentistas acham do uso da soja na alimentação em geral? Pergunto isso pq vejo médicos desaconselhando o uso da soja por homens por causa da isoflavona convertida em estrogênio fazendo crescer seios e traços femininos. Mulheres usam na menopausa, mas por outro lado alguns médicos dizem fazer mal a saúde tb a longo prazo. Quanto a crianças li q a soja provoca descalcificação dentária. Adultos correm o mesmo risco de descalcificação dentária devido o uso da soja? Acho difícil essa questão ser amplamente divulgada pela mídia, até pq iria contra os interesses de uma das maiores industrias de produção nacional. O q a Sra. pensa a respeito?

    1. Luiz, os sucos de soja têm efeito erosivo nos dentes (não a soja em si, mas os componentes dos sucos), da mesma forma que muitos sucos industrializados de frutas ácidas (laranja, limão. etc). Isso significa que eles tendem a causar desgaste por ação química nos dentes. Mas é aquela história… pra que houvesse um efeito realmente relevante nesse sentido, seria preciso exagerar bastante no consumo dos sucos à base de soja (e outros sucos ácidos, refrigerantes, etc.). Não é uma descalcificação propriamente dita, e vale o mesmo pra adultos e crianças. Há, também, uma preocupação com o teor de fluoretos presentes nos sucos à base de soja, já que atualmente há uma sobreposição das fontes de flúor (água de abastecimento, pasta de dentes, alimentos, etc.), o que poderia aumentar o risco de fluorose em crianças.

A área de comentários / perguntas está fechada. Agradeço a compreensão.

No plantão: Ana Tokus

Cirurgiã-dentista graduada pela Universidade Federal do Paraná, especialista em Radiologia Odontológica e Imaginologia pela ABO-PR, convicta de que medo de dentista se combate (também) com informação. Diva-Boss do OdontoDivas e autora do Blog Raios Xis. Twitter: @AnaTokus e @medodedentista