Autismo e Odontologia


Hoje é dia 2 de abril: Dia Mundial da Conscientização do Autismo. 🙂

O que é autismo?

Autismo é um transtorno global de desenvolvimento marcado por algumas características fundamentais em maior ou menor grau: inabilidade / dificuldade de interação social (de olhar nos olhos das pessoas, por exemplo), dificuldade de se expressar verbalmente e de dominar a linguagem, além de um padrão de comportamento restritivo, repetitivo e/ou estereotipado.

Admite-se, atualmente, a existência de múltiplas causas para o autismo, entre elas fatores genéticos e biológicos. O autismo se desenvolve na infância precoce (até os 3 anos de idade) e o diagnóstico é clínico, baseado nas características citadas acima.

O autismo foi descrito primeira vez por Leo Kanner, em 1942.

2 de abril: Dia Mundial da Conscientização do Autismo
2 de abril: Dia Mundial da Conscientização do Autismo

O que o autismo tem a ver com Odontologia?

Autistas também precisam ir ao dentista, como qualquer outra pessoa. E as alterações comportamentais são um importante complicador no atendimento odontológico, pois dificultam a realização de exames e tratamentos. É essencial que o dentista conheça as características do autismo de forma a melhor planejar e direcionar o tratamento odontológico desse tipo de paciente.

A Odontologia vem modificando sua visão sobre o atendimento de autistas, desde a consolidação da necessidade do tratamento preventivo até o envolvimento da família nesse processo. Como o atendimento curativo do paciente autista pode ser bem difícil e trabalhoso, o ideal é um acompanhamento constante e rigoroso, procurando-se interceptar a ocorrência de qualquer problema bucal mais sério.

Encontrar novas possibilidades de intervenção e acolhimento destes pacientes deve ser uma busca constante de todos que trabalham com o autismo, visando atendimentos mais efetivos e ações menos desgastantes, estressantes e traumáticas, tanto para a família quanto para o paciente, si.

Qual especialista procurar?

O tratamento do autismo, em si, envolve uma equipe multidisciplinar. O paciente precisará do acompanhamento de um médico neuropediatra, psicólogo, terapeuta ocupacional e qualquer outro profissional que se faça necessário pra ajudar no desenvolvimento da criança.

No âmbito da Odontologia, é o dentista especialista em pacientes com necessidades especiais que está mais preparado para atender o paciente autista.

Quais cuidados são necessários no atendimento odontológico de um paciente autista?

Algumas dicas importantes:

  • Autistas não filtram bem certos estímulos sensoriais como sons, cheiros, texturas e imagens. Quanto mais simplificado for o ambiente sensorial da criança, melhor. Usar fantoches pode ajudar na interação e comunicação do dentista com a criança autista durante o atendimento odontológico. É uma boa forma de explicar como escovar os dentes, por exemplo.
    .
  • Se a criança se alterar, não faça o mesmo: procure se manter calmo, não grite, não franza as sobrancelhas, não faça careta. Se movimente de forma lenta. Se a criança interagir, responda ao seu comportamento com um reforço positivo, elogie, comemore, bata palmas. Tenha reações grandes e empolgadas para qualquer sinal de interesse ou disposição da criança.
    .
  • Os pais são os aliados mais importantes e duradouros da criança, eles fornecem um foco consistente para treinamento, educação e inspiração. Juntar-se a uma criança em seus comportamentos repetitivos e ritualísticos fornece a chave para se decifrar o mistério destes comportamentos, e facilita o contato de olho no olho, o desenvolvimento social e a inclusão dos outros na brincadeira da criança.
    .
  • A utilização da motivação da própria criança impulsiona o aprendizado e constrói a fundação para a educação e a aquisição de habilidades. A visita ao dentista é considerada uma nova habilidade. Uso de energia, empolgação e entusiasmo envolve e motiva a criança, inspirando um desejo contínuo por interação e aprendizagem.

Essas dicas (que estão nesse artigo da Revista Autismo) são da Dra. Adriana Gledys Zink, que é cirurgiã-dentista especialista em pacientes com necessidades especiais. Ela se dedica ao estudo do condicionamento do paciente autista para o tratamento odontológico. Contatos: (11) 2212-8933 ou 2649-1011, e-mail: [email protected]. Ela também tem um blog só sobre o tema, vale a pena conferir –> Autismo e Odontologia

Um bom artigo sobre o tema: Estratégias de acolhimento e condicionamento do paciente autista na Saúde Bucal Coletiva

Compartilhe:

Comentários via Facebook


Categoria: Pacientes Especiais

Marcadores:

15 comentários

  1. Oii
    Entao… eu coloquei meu aparelho tem cerca de 2 meses. Eu tinha o canino esquerdo encavalado e tenho mordida cruzada.
    E ai iniciei o tratamento, mas agr o dente que estava encavalado desceu, porem entortou todos os outros da frente e isso tem me incomodado mto, pois nao consigo nem sorrir. Porque os da frente meio que estao inclinados pra frente. Eu nao sei oq fazer, nao quero que fique feio assim. Se você quiser eu posso te mandar foto pra ver e ai me falar o q acha.
    Obrigadaa bjos

    1. Jéssica, não vai ficar assim… pode ficar tranquila. Às vezes, durante o tratamento ortodôntico, há fases em que os dentes parecem ficar mais tortos do que no começo, mas isso é passageiro e será corrigido até a conclusão do tratamento, com o alinhamento de todos os dentes.

  2. Oi, doutora! Tudo bem?
    Uso aparelho ortodôntico há mais de 2 anos e meio. Faço o tratamento em uma clinica, e um dos dentistas (que é o dono) havia dito que minha mãe tiraria o aparelho em outubro/setembro deste ano, mais tarde que eu, pois por ela ser adulta o processo seria lento — o que deu a entender que eu finalizaria meu tratamento nesse primeiro semestre. Agora, uns 3 meses após ele ter dito isso, ele falou que o tratamento de ambas terminaria em dezembro. Há mais de um ano que não há alteraçoes de fio (entendo que é normal nao alterar fio) e há uns 7 meses que uso os elásticos na forma de triângulo, e eles dizem que está ótimo (mas acho que nunca o suficiente pra finalizar?). Sinceramente, estou me estressando — tiramos uma panoramica por nossa conta, pq se dependesse deles não pediriam (tem mais de um ano q nao pedem q façamos uma) e hoje o dentista nem olhou minha boca, ja foi logo ativando o aparelho. Estariam eles enrolando um pouco? Não sei se aguento mais tempo, provavelmente vou pedir pra que tirem em junho. O que a senhora acha? Será que os dentes voltarao a posiçao anterior?? Eu estou tomando uma decisao precipitada?

    Muito obrigada pela sua atençao! Adoro o blog!! Sucesso.

    1. Então, Lu… não sei se seu dentista está “enrolando”. Não dá pra afirmar – nem negar – isso só com base no seu relato. A parte mais complicada de dar previsão de conclusão do tratamento é essa, o paciente cobra isso depois (e com razão). Só que isso não é uma ciência exata, o ortodontista sugere um tempo de tratamento baseado no que vê, mas isso pode variar pra mais ou pra menos. Como nós estamos falando só de 3 a 6 meses a mais, eu acho até razoável. Eu acho que você poderia dar um voto de confiança para o seu dentista e levar o tratamento até o fim, fazer a contenção e usar direitinho, e tal. Porque interromper o tratamento tão perto do fim seria ruim, um tempo perdido.

      Abraço e obrigada. 😉

      1. Obrigada, Dra. Ana! Aparentemente o motivo de não retirar o aparelho agora é porque meus dentes ainda não calcificaram (algo do tipo? não me lembro exatamente), mas seria possível notar isso sem um raio-x? O que me incomoda um pouco é isso, há um ano que não fazemos panorâmica e eles não fazem questao de pedir, a gente que tem de insistir.

        Muito obrigada, mais uma vez!

        1. Creio que a palavra é “estabilidade”… aguardar que os resultados obtidos se estabilizem (embora isso seja relativo, pois haverá necessidade de uso de contenções da mesma forma após a remoção do aparelho).

  3. Dra. Ana, eu uso aparelho ortodontico e minha dentista colocou dois elasticos de cada lado em formato de triangulo por conta da minha mordida, mas o problema é na hora de colocar é muito dificil e o elastico fica com um dos lados meio “embolado”, isso dá problema no tratamento ? Não consigo deixar totalmente certinho o elastico.

  4. Ola doutora, boa noite, sou o Felipe Henrique, realizei duas extracões de dois dentes sisos de baixo, hj faz 3 dias, so q do lado direito o processo foi normal, mas o do lado esquerdo ainda sinto desconforto e dores no local da cirurgia e coceiras, e um inchaco em forma de ingua, devo voltar ao meu dentista e reavaliar ?

    1. Felipe, se você achar necessário, deve. Mas os sintomas que você relata são comuns após a extração dos sisos, não dá pra dizer que haja alguma alteração.

  5. Dra., estou fazendo tratamento de canal em dois dentes. Um é retratamento. Minha dentista foi vaga em relação a quantas sessões que vai durar. Tbm não me sinto à vontade em ficar perguntando. Vc poderia me dizer uma média? Eita tratamento chatinho, rsrsrs, a dentista é ótima, um amor e super competente, mas mesmo assim, é o tratamento mais chato que tem. E olha que já fiz implante, enxerto, extração…

    1. Any, é que nem ela deve saber… isso varia muito. Retratamentos costumam levar mais tempo, talvez uma 4 sessões, porque é preciso remover a obturação antiga pra só depois tratar. Canal é chato mesmo. 😉

      1. Ana, aproveitando o assunto rsrs, se a pessoa possui necessidade de canal, nas avaliações para colocar aparelho, isso é identificado?

        Se a resposta for sim, o profissional não insere aparelho sem antes tratar o canal né? Isso pode prejudicar o tratamento?

        1. Num mundo ideal 😉 as coisas funcionam assim: a pessoa faz uma avaliação clínica geral pra identificar a necessidade de quaisquer tratamentos (restaurações, “limpeza”, canais, extrações, etc..), e só é feita a instalação do aparelho depois de todos esses tratamentos concluídos. Nos exames feitos antes da colocação do aparelho muita coisa pode – e deve – ser identificada, sim.

      2. Obg, Doutora. Acho que foi isso mesmo. Ela estava sem previsão. Mas na última consulta já me passou o tempo previsto.
        E que tratamento caro o tal de canal. Se bem que me falaram que o meu estava muito caro. Mas pelo menos sei que estou em boas mãos e a clínica é muito boa.

A área de comentários / perguntas está fechada. Agradeço a compreensão.

No plantão: Ana Tokus

Cirurgiã-dentista graduada pela Universidade Federal do Paraná, especialista em Radiologia Odontológica e Imaginologia pela ABO-PR, convicta de que medo de dentista se combate (também) com informação. Diva-Boss do OdontoDivas e autora do Blog Raios Xis. Twitter: @AnaTokus e @medodedentista