Dor de Dente. Que Remédio Tomar?

Quando a dor de dente aparece, não é de se surpreender que a pessoa vá atrás de um remédio. Só que, pra saber o remédio certo (e se é caso pra remédio), é preciso saber a causa da dor. E pra saber a causa da dor, só procurando um dentista.

Estando isso entendido, acho útil esclarecer pra que servem as categorias de medicamentos mais comuns prescritas no consultório do dentista. São elas:

  1. Analgésicos: são remédios que diminuem ou interrompem certas vias de transmissão nervosa, acabando com a sensação dolorosa. Existem muitos tipos de analgésicos, que agem de várias formas, mas usa-se o termo para designar qualquer membro do diversificado grupo de drogas usadas para aliviar a dor. Em resumo: analgésico diminui a dor.
  2. Anti-inflamatórios: são medicamentos que combatem a inflamação dos tecidos. A inflamação consiste numa série de eventos que o nosso organismo desencadeia (dor, calor local, vermelhidão e inchaço) quando se sente agredido, ou seja, a inflamação é um mecanismo de defesa, não é uma coisa ruim em si. Quando se extrai um dente, por exemplo, a cicatrização da gengiva envolve um processo inflamatório, o que é normal e esperado. O problema é que muitas vezes os sintomas da inflamação (entre eles a dor) são exagerados, e por isso se recomenda anti-inflamatórios (que acabam, direta ou indiretamente, atuando sobre a dor também). Existem vários tipos de anti-inflamatórios, pra diferentes fins. Em resumo: anti-inflamatório combate a inflamação.
  3. Antibióticos: são remédios usados pra combater infecções. Essas substâncias interagem com microrganismos que atacam o organismo humano no sentido de matá-los (bactericidas) ou paralisá-los / inibir sua reprodução (bacteriostáticos). Em resumo: antibiótico combate a infecção.
Pode puxar!

Pode puxar!

Tendo em mente as definições acima, fica claro que se você tem uma dor de dente é preciso entender o motivo pra tomar o melhor remédio. Às vezes há dor, mas não há inflamação. Às vezes há inflamação, mas não há infecção. Às vezes há infecção mas não há dor. Mas a verdade mais importante é que nenhuma dor pode ser eliminada sem que a causa dela seja removida… e aí entra o dentista.

Dor de dente não é doença, é um sintoma. E a doença pode ser cárie, gengivite, pericoronarite, doença periodontal, pulpite, etc.. E o único profissional capaz de identificar e intervir pra remover a cárie, tratar a gengivite ou fazer um canal, é o dentista.

Enfim, pra cada uma das três categorias de medicamentos citada existe uma infinidade de tipos de remédios. O analgésico que serve pra um tipo de dor de dente, não serve pra outro. O antibiótico que trata infecções gengivais é diferente daquele usado em problemas de canal, por exemplo. E o mais importante: nem todo mundo está apto a tomar qualquer medicamento. Por isso, a avaliação clínica e a anamnese (aquele monte de perguntas que o dentista faz) é essencial pra prescrever um remédio com segurança. Qualquer coisa fora disso, é chute.

Enfim, é compreensível que na falta de atendimento adequado (no meio de um feriado, por exemplo) quem tem dor de dente tome um analgésico. Se você pretende fazê-lo, é um direito seu, mas faça-o por sua conta e risco. Apenas entenda que qualquer remédio que você tome (por conta própria ou por conselho de terceiros) vai no máximo aliviar a dor por um certo tempo. Ir ao dentista, em caso de dor de dente, é inevitável.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

No Plantão: Ana Tokus

Cirurgiã-dentista graduada pela Universidade Federal do Paraná, especialista em Radiologia Odontológica e Imaginologia pela ABO-PR, convicta de que medo de dentista se combate (também) com informação. Diva-Boss do OdontoDivas e administradora da OdontoPédia. Twitter: @AnaTokus e @medodedentista Veja todos os posts de Ana Tokus
Postado em: Farmacologia | Marcadores: , , , ,

4

  1. Boa tarde Dra.
    Acompanho seu blog faz tempo, e gosto bastante. Sempre vejo as pessoas tirando duvidas aqui e você sempre é muito atenciosa, então, hoje resolvi perguntar também.
    É o seguinte: estou fazendo tratamento de canal no 1o molar inferior direito. Ja faz um tempinho, e no dia que minha dentista marcou para fechar o canal, disse que nao poderia fechar pq estava com secreçao, entao marcou pra outro dia. Voltei, para fechar, e mais uma vez estava com secrecao. Ela colocou um remedio, e marcou pra outro dia. É normal essa secreçao? E ah, toda vez que é pra ser a “ultima sessao” eu sinto muita dor qd ela coloca tipo uma lima diferente, tem uma cor diferente… não sei explicar, mas que ela só usa quando vai fechar o canal. DOI MUITO! Mas durante o tratamento, nunca senti dor. Só quando ela vai fechar. É normal? Aguardo muito sua resposta. Muito obrigada.

    • Arthur, acontece. Seu dente está liberando o pus da infecção (abscesso), por isso ainda não dá pra fechar. A dor que você sente provavelmente é por causa do fechamento com o curativo, que cria uma “pressão interna” no dente.

      E obrigada, fico feliz em ajudar. :)

  2. Dra, não sei se entendi errado o que leio sobre saúde, mas que eu saiba, antibiótico combate bactérias. Pensei que não tivesse nenhum efeito contra vírus. Na sua definição, antibióticos servem também contra vírus e fungos. Por quê?

    • Paulo, você tem toda razão. Da forma como eu tinha colocado deu a entender que infecções por fungos e vírus também são tratadas com antibióticos, mas não, apenas as infecções por bactérias. Os antibióticos “interagem” sim com esses organismos, como eu disse, mas não quer dizer que eles sejam mortos por antibióticos. Os vírus nem são considerados organismos vivos, então nem poderiam ser mortos, e os fungos, dependendo do tipo de antibiótico, são até beneficiados por ele, já que a eliminação de bactérias pode abrir espaço pra uma infecção fúngica. Enfim… removi do texto os parênteses em que eu citava esses outros organismos pra não dar confusão. Agradeço o alerta. Abraço! :)

Comente ou pergunte!

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*


Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>